Seguro desemprego 2018: como funciona? Quem tem direito?

Seguro desemprego tem novidades para 2018, veja como ele funciona, quem tem direito e muito mais!

Em um universo de mais de 14 milhões de desempregados, ficar sem qualquer tipo de renda é algo que assusta qualquer pessoa, tenha ela filhos, família para sustentar ou viva sozinha.

Para os que, infelizmente, perdem o emprego, engrossando o número de desempregados, e tiveram a sorte de trabalhar por um determinado período com carteira assinada, o seguro desemprego pode uma solução temporária enquanto o trabalhador não consegue outra ocupação remunerada.

O que é o seguro desemprego?

O seguro-desemprego é uma espécie de salário pago ao trabalhador, contratado em regime CLT, por um  determinado período até que essa pessoa se recoloque no mercado de trabalho.

Embora tenhamos dito que o seguro desemprego é uma espécie de salário, o valor pago neste benefício é, dependendo da remuneração anterior do trabalhador, inferior ao que seu salário enquanto empregado, pois o seguro-desemprego deve respeitar um teto máximo, definido pelo Ministério do Trabalho.

Como funciona o seguro desemprego?

O seguro-desemprego é pago mensalmente ao trabalhador que, tendo carteira assinada, comprovar seu desligamento do emprego anterior.

Trabalhadores que foram demitidos por justa causa ou que tenham sido contratados para vagas temporárias não têm direito ao seguro-desemprego, assim como os terceirizados ou que trabalham por contrato.

Prestadores de serviço, que tem empresa aberta (os populares MEIs, ou microempreendedores individuais) também não tem direito a receber o seguro desemprego caso venham a trabalhar com carteira assinada enquanto mantiverem a empresa aberta.

Para ter direito ao benefício, a pessoa precisa, inicialmente, ter trabalhado com registro por um ano. Caso perca o emprego uma segunda vez, o trabalhador precisa comprovar vínculo empregatício por nove meses.

Já na terceira vez em que o seguro desemprego for solicitado, a exigência é que a pessoa tenha trabalhado por, no mínimo, seis meses. Além disso, o atendimento inicial, quando são entregues os documentos para dar entrada na solicitação, deve ser agendado.

Parcelas e valor pago ao trabalhador

O número de parcelas pagas ao trabalhador varia de acordo com a quantidade de solicitações para o recebimento do seguro-desemprego e o tempo em que o trabalhador permaneceu no emprego.

Por exemplo, quem pede o seguro-desemprego pela primeira vez e trabalhou, por no mínimo 12 meses e, no máximo 23 meses, serão pagas quatro parcelas. Já o trabalhador que permaneceu dois anos no emprego, receberá cinco parcelas.

Já o valor pago como parcela do seguro-desemprego varia de acordo com a faixa salarial de sua ocupação anterior.  Para trabalhadores que recebam até R$ 1.300, o valor do seguro será multiplicado por 0,8 (ou 80%). Já os que recebem acima de R$ 2.200 terão direito às parcelas do seguro no valor de R$ 1.542,24.

Como consultar o seguro-desemprego?

Se anteriormente o trabalhador precisava enfrentar horas em filas dos bancos para saber se o seguro-desemprego já estaria liberado, e qual o valor de sua parcela, atualmente para obter essa informação bastam alguns cliques. Existe como se informar usando por exemplo o site do seguro desemprego web

A Caixa Econômica Federal, banco responsável pelo pagamento do benefício, desenvolveu um aplicativo que informa o status da solicitação, valor da parcela e quando o trabalhador poderá receber.

Sugestões e dicas podem eixar nos comentários, até a próxima!



Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *